CNA quer Itamaraty “agressivo” no acesso a mercados